Conheça as causas e os sintomas da Lombalgia

A chamada lombalgia está diretamente associada a condições que afetam os discos intervertebrais, sales mas também pode ser causada por doenças articulares ou emocionais. Saiba mais sobre este problema

Surgiu depois de levantar um objeto pesado
É preciso treinamento específico para garantir estabilidade à coluna durante o esforço físico. Sobrecargas repentinas (principalmente com a coluna flexionada para frente e torta) são capazes de desencadear uma crise de dor aguda e incapacitante. Esse caso é emergencial e necessita de intervenção médica imediata.

Sinto dormência na perna
É possível que seja hérnia de disco. Isso acontece quando um dos discos intervertebrais (estruturas que servem para evitar o atrito entre as vértebras) se desloca por um trauma físico, predisposição genética ou sedentarismo, exercendo pressão nos nervos espinhais. Além da dor, o problema acarreta fraqueza na perna e dormência na planta do pé. 

Pode ser um quadro de artrose
Conhecida pelos médicos como osteoartrite, a doença consiste em uma degeneração das cartilagens das articulações. Quando afeta os tecidos cartilaginosos da coluna, essa condição provoca a lombalgia, além de rigidez nas costas e diminuição da mobilidade. Crônica, a patologia é mais incidente nas pessoas com mais de 70 anos, mas também atinge os mais jovens.

Mudei a cadeira no trabalho
Evite assentos retos, pois eles não respeitam as curvas naturais da coluna. O uso prolongado faz que a pressão exercida contra os discos intervertebrais seja maior. Sentar-se sem apoio nos braços e pernas também facilita o surgimento do sintoma. Dê preferência para cadeiras vazadas.

Trabalho muito tempo sentado
Os discos intervertebrais são nutridos por glicose e oxigênio transportados pelo sangue. O ato de permanecer sentado dificulta esse processo. É daí que surge a recomendação médica de fazer alongamentos e ficar em pé por 10 minutos a cada hora. Tal medida ajuda a nutrir a região e a regenerar traumas localizados.

Continue lendo no Revista Viva Saúde>> 

Por: Letícia Maciel
Fonte: Revista Viva Saúde

Você pode gostar...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

Slider by webdesign